domingo, 19 de fevereiro de 2017

Domingo da Sexagésima

19/02 Domingo da Sexagésima 
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos  
     Sexagésima ou, na íntegra, Sexagésima domingo , é o nome para o segundo domingo antes da quarta- feira de cinzas no rito gregoriano do calendário Liturgico da Igreja Católica Romana. O nome "Sexagésima" é derivado do latim sexagesimus, que significa "sexagésimo", e parece ser uma volta formação de Quinquagésima , o termo usado antigamente para designar o último domingo antes da Quaresma (o último nome em alusão ao fato de que há cinqüenta dias entre o domingo da Páscoa, e se contarmos os dois dias próprios no total). Através do mesmo processo, no domingo antes Sexagésima foi anteriormente conhecido como Septuagésima Domingo , e marcou o início da Quaresma , que acabou se tornando o tempo de Carnaval celebrações em toda a Europa , este costume sendo posteriormente exportados para lugares assentados e/ ou colonizados pelos europeus. Enquanto Quinquagésima (dia 50) é matematicamente correta (permitindo a contagem inclusiva), Sexagésima e Septuagesima são apenas aproximações (o número exato de dias é de 57 e 64 respectivamente). A primeira Sexagésima pode ocorrer em 25 de janeiro e a última em 28 de fevereiro (ou 29 de fevereiro em um ano bisexto ).

Leitura da Epístola de São Paulo aos

II Coríntios 11,19-30
e 12,1-9 
19 Vós, sendo homens sensatos, suportais de boa mente os loucos... 20 Sim, tolerais a quem vos escraviza, a quem vos devora, a quem vos faz violência, a quem vos trata com orgulho, a quem vos dá no rosto. 21 Sinto vergonha de o dizer; temos mostrado demasiada fraqueza... Entretanto, de tudo aquilo de que outrem se ufana (falo como um insensato), disto também eu me ufano. 22 São hebreus? Também eu. São israelitas? Também eu. 23 São ministros de Cristo? Falo como menos sábio: eu, ainda mais. Muito mais pelos trabalhos, muito mais pelos cárceres, pelos açoites sem medida. Muitas vezes vi a morte de perto. 24 Cinco vezes recebi dos judeus os quarenta açoites menos um. 25 Três vezes fui flagelado com varas. Uma vez apedrejado. Três vezes naufraguei, uma noite e um dia passei no abismo. 26 Viagens sem conta, exposto a perigos nos rios, perigos de salteadores, perigos da parte de meus concidadãos, perigos da parte dos pagãos, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos! 27 Trabalhos e fadigas, repetidas vigílias, com fome e sede, freqüentes jejuns, frio e nudez! 28 Além de outras coisas, a minha preocupação cotidiana, a solicitude por todas as igrejas! 29 Quem é fraco, que eu não seja fraco? Quem sofre escândalo, que eu não me consuma de dor? 30 Se for preciso que a gente se glorie, eu me gloriarei na minha fraqueza.1 Importa que me glorie? Na verdade, não convém! Passarei, entretanto, às visões e revelações do Senhor. 2 Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe. 3 E sei que esse homem - se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe - 4 foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir. 5 Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas. 6 Pois, ainda que me quisesse gloriar, não seria insensato, porque diria a verdade. Mas abstenho-me, para que ninguém me tenha em conta de mais do que vê em mim ou ouve dizer de mim. 7 Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. 8 Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. 9 Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 8, 4-15
4 Havia se reunido uma grande multidão: eram pessoas vindas de várias cidades para junto dele. Ele lhes disse esta parábola: 5 Saiu o semeador a semear a sua semente. E ao semear, parte da semente caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram. 6 Outra caiu no pedregulho; e, tendo nascido, secou, por falta de umidade. 7 Outra caiu entre os espinhos; cresceram com ela os espinhos, e sufocaram-na. 8 Outra, porém, caiu em terra boa; tendo crescido, produziu fruto cem por um. Dito isto, Jesus acrescentou alteando a voz: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça! 9 Os seus discípulos perguntaram-lhe a significação desta parábola. 10 Ele respondeu: A vós é concedido conhecer os mistérios do Reino de Deus, mas aos outros se lhes fala por parábolas; de forma que vendo não vejam, e ouvindo não entendam. 11 Eis o que significa esta parábola: a semente é a palavra de Deus. 12 Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouvem; mas depois vem o demônio e lhes tira a palavra do coração, para que não creiam nem se salvem. 13 Aqueles que a recebem em solo pedregoso são os ouvintes da palavra de Deus que a acolhem com alegria; mas não têm raiz, porque crêem até certo tempo, e na hora da provação a abandonam. 14 A que caiu entre os espinhos, estes são os que ouvem a palavra, mas prosseguindo o caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas e prazeres da vida, e assim os seus frutos não amadurecem. 15 A que caiu na terra boa são os que ouvem a palavra com coração reto e bom, retêm-na e dão fruto pela perseverança. 

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

Dia 19 de fevereiro dia de Santo Martiniano,Confessor.




Santo Martiniano

 São Martiniano era um monge eremita, mas acabou se tornando um andarilho para que o pecado nunca o achasse "em endereço fixo". 
   Martiniano era natural da Cesaréia, na Palestina, nasceu no século IV. Desde a tenra idade decidiu ligar sua vida à Deus e aos dezoito anos ingressou numa comunidade de eremitas, não muito distante da sua cidade, onde se entregou à vida reclusa e viveu durante sete anos. A fama de sua sabedoria percorreu a Palestina e Martiniano passou a ser procurado por gente de todo o país que lhe pedia conselhos, orientação espiritual, a cura de doenças e até a expulsão de maus espíritos. Ganhou fama de santidade e essa fama atraiu Zoé, uma jovem cortesã. 
  Zoé era milionária, bela e conhecida como uma mulher de costumes arrojados e pouco recomendáveis. Fez uma espécie de aposta em seu círculo de amizades indivíduos de sua laia o plano diabólico e afirmou que faria o casto monge se perder. Disfarçando-se em pobre abandonada, chegou pela tardinha à casa de Martiniano e pediu agasalho: “Tende compaixão de mim, homem de Deus! Não permitais que eu seja presa das feras. Perdi-me na floresta e sem orientação, não sei para onde me dirigir”,pedindo abrigo. Ele deixou que entrasse, acomodou-a e foi para os aposentos do fundo da casa, onde rezou entoando cânticos de louvor ao Senhor. O bom do eremita levantou as mãos ao céu, chamou a Deus em auxílio, e só depois de muitos rogos da parte da mulher, consentiu que lhe entrasse na gruta. Para si procurou um outro abrigo e passou a noite toda em oração.
   Zoé, porém, trocou os andrajos enganosos por um vestido sedutor. Quando, na manhã seguinte, Martiniano chegou à gruta, Zoé se apresentou em todo o esplendor e grande foi a surpresa do santo homem, pois não a conhecia. Zoé deu-se a conhecer, manifestou ao eremita sua verdadeira intenção e com maneiras blandiciosas e afáveis, tentou-o ao pecado. A proposta, disse-lhe, que te faço não te deve ser estranha e é bem compatível com teu  modo de vida. Sabes que os santos do antigo testamento eram favorecidos pela fortuna e casados. Eis me aqui para oferecer-te, junto com minha pessoa os meus grandes bens”.
  Martiniano, em vez de enxotar a sedutora, mostrou-lhe simpatia e fraqueou. Deus permitiu esta fraqueza, talvez para lhe castigar o orgulho, que não o deixou enxergar o perigo e fê-lo confiar em si. À hora em que, por costume, pessoas vinham para ouvir-lhe os conselhos e receber-lhe a benção, Martiniano saiu da gruta. Mal ficou sozinho, caiu em si e a consciência começou a atormentá-lo com suas acusações. O arrependimento foi tão grande, que mal podia sustentar-se. Depois juntou alguma lenha, acendeu-a e quando tinha boa brasa, meteu os pés dentro e disse: “Martiniano, se agüentares este fogo, continua a pecar; do contrário, como poderás sofrer o fogo eterno, que mereceste pelo pecado?”
   Chamando a mulher, disse-lhe: “Vem ponha aqui teus pés, se queres pecar”. Zoé, vendo o espetáculo que se lhe desenrolava diante dos olhos, impressionou-se grandemente e o coração tomou-se-lhe de profunda contrição. Imediatamente tirou a roupa escandalosa, meteu-a no fogo, pediu perdão ao eremita e conselho sobre o que havia de fazer, para obter remissão dos pecados. Martiniano ordenou-lhe que fosse para o convento de Santa Paula, em Belém e lá passasse o resto da vida em penitência. Zoé obedeceu, pediu e obteve a admissão no convento indicado e tão radical foi sua conversão que de pecadora tornou-se grande penitente e Santa.
    Martiniano julgou ser vontade de Deus abandonar o lugar de sua infelicidade e procurou uma ermida, situada, numa ilha lá ficou durante seis anos, constando-lhe a alimentação de pão, água e palmitos, que pescadores de vez em quando lhe traziam. Pelo fim do sexto ano de desterro, naufragou naquela ilha um navio. Dos náufragos sobreviveu uma jovem de vinte e cinco anos que pediu auxílio a Martiniano; este lhe fez a caridade, que as circunstâncias exigiam. Para não se expor novamente ao perigo, resolveu fugir. Confiado no auxílio divino atirou-se na água para, a nado, ganhar o continente. Deus o protegeu visivelmente, mandando dois delfins que o levaram à terra. A donzela ficou na ilha, levando vida santa. Martiniano, porém tomou a resolução de não mais ter domicílio fixo. Fiel a este propósito, andava de um lugar a outro, implorando a caridade dos cristãos. Nessas viagens chegou a Atenas, onde entrou numa Igreja, quando sentiu as forças o abandonarem. Com muita devoção recebeu os santos Sacramentos. Poucos dias depois entregou a alma ao Criador. As suas últimas palavras foram: “Senhor, em vossas mãos recomendo o meu espírito”. Martiniano morreu no ano de 400. A Igreja oriental presta-lhe grandes homenagens. Os restos mortais acham-se depositados numa Igreja de Constantinopla, situada perto da mesquita de Santa Sofia.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Nossa Senhora no Sábado



 18/02  Sábado
Festa de Quarta Classe

Paramentos Brancos
Epístola extraída do

Eclesiástico 24, 14-16
14 Desde o início, antes de todos os séculos, ele me criou, e não deixarei de existir até o fim dos séculos; e exerci as minhas funções diante dele na casa santa. 15 Assim fui firmada em Sião; repousei na cidade santa, e em Jerusalém está a sede do meu poder. 16 Lancei raízes no meio de um povo glorioso, cuja herança está na partilha de meu Deus; e fixei minha morada na assembléia dos santos. 

Sequência do Santo Evangelho 


São Lucas 11, 27-28 
27 Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! 28 Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam! 

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

18 de fevereiro dia de São Simeão,Bispo e Martir


São Simeão saudamos um parente próximo de Nosso Senhor Jesus Cristo. O pai, Cleófas, era irmão de São José, e sua mãe , Maria, parenta muito chegada da SS.Virgem. Era irmão do Apóstolo São Tiago Menor, amigo muito dedicado de Nosso Senhor, testemunha ocular de sua Paixão e Ressurreição.
Com os demais Apóstolos recebeu o Espírito Santo no dia de Pentecostes, e quando estes procuraram cada um o campo de sua ação evangélica, Simeão ficou em Jerusalém, com seu irmão Tiago, primeiro Bispo daquela cidade. São Tiago sucumbiu à sanha feroz dos judeus e morreu mártir. São Simeão, por ordem do Conselho dos Apóstolos, continuou a obra do irmão, sucedendo-lhe como Bispo de Jerusalém. 
Com um zelo verdadeiramente apostólico, pregou a doutrina de Cristo a judeus e pagãos, e pelo exemplo edificou a jovem Igreja. Sob seu governo cumpriu-se a terrível profecia de Nosso Senhor sobre Jerusalém. Os judeus, em vez de ouvir os conselhos dos Apóstolos, correram atrás de falsos profetas e levantaram-se contra os romanos, o que foi sua perdição. Antes, porém, do imperador Vespasiano cercar e atacar a cidade, os cristãos, por um aviso que receberam do céu, tiveram tempo de providenciar o seu êxodo. Simeão, obedecendo à voz de Deus, retirou-se para a cidade de Pela, onde, com toda a calma, pode dedicar- se ao munus apostólico, enquanto em Jerusalém não ficou pedra sobre pedra. Mais de um milhão de homens morreram de fome, de miséria, vitimados por doenças, ou crucificados pelos romanos; cem mil judeus foram levados à escravidão. Tendo terminado o terrível castigo, com que Deus profligou a cidade deicida, os cristãos voltaram, e por entre os escombros e ruínas construíram casas e continuaram a viver em paz, servindo a Deus Nosso Senhor. Muitos judeus, vendo os grandes milagres que o Apóstolo fazia, converteram-se ao cristianismo. O demônio, inimigo de todo o bem, observou com maus olhos o progresso da religião de Cristo na Capital da Judéia. Não lhe sendo possível causar maiores males, semeou cizânia que medrou produzindo várias heresias, as quais S. Simeão pode logo abafar.

Trajano era imperador de Roma. Na perseguição que decretou contra os cristãos, visou principalmente evitar, que a família e os descendentes daquela estirpe pudessem conceber a ideia de restaurar o reino dravídico ou de proclamar um novo Messias, e levar os judeus a uma grande rebelião. Foi bastante esta preocupação do monarca, para os judeus e hereges de Jerusalém lhe denunciarem o nome de Simeão, que realmente era da família de Davi.

Simeão, ancião de 120 anos, recebeu ordem de prisão e intimação de prestar homenagem aos deuses. “Nunca, nunca – foi à resposta do venerável Apóstolo – nunca jamais farei tal coisa, negando e traindo assim meu Mestre e Senhor Jesus Cristo. Teus deuses têm sido entes infames e ímpios; Jesus Cristo, porém, é Deus verdadeiro”. – No meio da cruel flagelação, a que o desumano governador o sujeitou, Simeão louvou e bendisse o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Vendo que nada conseguia, o governador condenou-o à morte da cruz. Honra maior não lhe podia ser dispensada, e por isso Simeão, ouvindo esta sentença, exultou de alegria. Ele próprio se estendeu sobre o instrumento do martírio e ofereceu aos algozes as mãos e os pés. Do alto da cruz ainda confessou o nome do divino Mestre, rezou pelos inimigos e entregou o espírito.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Chaveiros e Kit escapulario Azul

Dezenas abertas e em circulo
R$ 8,00 + frete a combinar
Como comprar em nossa Lojinha

Envie um e-mail para lojinhadoconvento@gmail.com  com o seu pedido (item e quantidade) e também o nome e o endereço do destinatário. Logo responderemos com o valor 
(incluiremos o frete conforme seu endereço e peso dos produtos). 

Faça a sua doação comprando nossos artigos religiosos:
Tem Kit Imaculada Conceição por 10,00 com frete incluso.
+
Vai para formação este livro abaixo:

Livro Como te tornarás Feliz?

Conselhos para Donzelas.


Campo Grande-Mato Grosso do Sul
Banco Bradesco Agência 73  Conta Corrente 106071-6
Ass e Com Domina Nostra Regina Pacis
CNPJ 002983690001-22

As outras duas contas no nome de Antônia

A do Banco: Brasil 001

Agência: 0048 Dígito:5

Conta corrente: 147088-4.

   e

do Banco da Caixa Econômica

Agência Centro: 0017 Operação:013 

 Conta Poupança 059624-2

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

17 de fevereiro dia de São Flaviano de Constantinopla, Bispo, Mártir, Santo

17/02 Sexta-feira 
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos
São Flaviano, rogai por nós!
Nesta crise que hoje também enfrentamos dentro do seio da Igreja.

Flaviano, sucessor de São Proclo, ocupou a sede patriarcal de Constantinopla durante os três anos de 446-449. Seu governo coincidiu com uma época agitadíssima da Igreja Oriental. Heresias, graves dissensões e lutas intensas perturbavam a paz e tornavam quase insuportáveis a permanência na capital do império grego. Flaviano, envolvido fatalmente nas agitações político-religiosas daquele tempo, com a solidez de suas virtudes, com a firmeza de seu carácter, conservando-se sempre superior e absoluto senhor da situação, apresenta a figura dum grande Patriarca, digno da admiração de todos os tempos. A modéstia, unida à firmeza, à paciência imperturbável nas situações mais críticas, fizeram com que não se esquecesse nunca de sua alta posição e das obrigações a ela ligadas.

Logo após a sua eleição para Patriarca se deu um fato: presságio de lutas vindouras. Segundo o costume daquele tempo, o Patriarca eleito enviara ao Imperador os tais chamados eulógias, isto é, pão bento, símbolo da paz e concórdia. A oferta de Flaviano foi devolvida, com a retificação que só seriam aceitas eulógias de ouro. O Patriarca respondeu: “Ouro e prata não me pertencem”.

Quando a heresia monofisítica do arquimandrita Eutiches começou a ganhar terreno em Constantinopla, Flaviano se lhe opôs, com toda a energia e franqueza apostólica. Principiou com esta campanha a subida para o Calvário do intemerato antístite. Eusébio de Doriléia, com um solene protesto contra a nova doutrina, dera sinal de alarme. Flaviano convocou um Concílio local em Constantinopla (448); que examinou a doutrina eutichiana e a condenou. Contra o autor foi lançada a excomunhão. Tendo na questão o apoio incondicional do grande Papa Leão I, Flaviano não mais hesitou em entrar em luta aberta contra os poderosos amigos de Eutiches. Os que como tais se revelaram, eram o eunuco Crisáfio, favorito e tesoureiro do Imperador Teodósio II e Dioscuro, Bispo de Alexandria; dois formidáveis adversários, cuja política outra mira não visava, a não ser deposição e expulsão do Patriarca. Para alcançar este fim, todos os meios, por mais indignos que fossem, eram lhes aceitáveis. Vendo que o Patriarca não cedia, nem ameaças com o desagrado do Imperador lhe faziam modificar a atitude, trataram de alcançar de Teodósio a autorização para convocar um concílio, com o intuito de, como diziam, restabelecer a paz religiosa. O Concílio, chamado o latrocínio de Éfeso, realizou-se (449), sob a presidência de Dioscuro. Compareceram 135 Bispos. De um sínodo, onde só inimigos tinham representação, que justiça Flaviano podia esperar? De fato o sínodo de Éfeso foi a expressão da paixão, do ódio, do despotismo sem freio contra o Bispo católico.

A primeira humilhação foi à absolvição solene de Eutiches e a reabilitação de sua doutrina condenada. Seguiu-se a vergonha de Bispos subalternos declararem deposto o superior e pronunciarem contra ele a sentença da excomunhão. De nada valeu a apelação de alguns Bispos, que de joelhos suplicaram a Dioscuro que não cometesse tamanha injustiça e retirasse a sentença pronunciada contra Flaviano. A injustiça aí não parou. De oportuno apareceu um bando de gente armada, entre outros, monges fanatizados chefiados pelo afamado Barsumas, que com paus e facas se atiraram aos Bispos católicos, exigindo-lhes debaixo de terríveis ameaças, a assinatura do documento da deposição e condenação de Flaviano. Sem exemplo na história eclesiástica foi o tratamento bárbaro que Flaviano mesmo sofreu, no meio dos inimigos. O próprio Dioscuro (segundo outros Barsumas) pisou-o com os pés e as feridas que recebeu dos outros fanáticos foram tão graves, que morreu três dias depois.

O triunfo dos inimigos teve pouca duração. Dois anos depois se realizou o Concílio ecumênico de Calcedônia, que restabeleceu a honra do grande Patriarca, dando-lhe o título de Mártir glorioso, que morreu em testemunho da fé verdadeira. O Papa Hilário, que, como comissário apostólico, tinha presenciado as cenas horríveis do sínodo de Éfeso, construiu uma Igreja em honra do Bispo Mártir. Nela se vê um quadro artístico que representa o martírio de S. Flaviano.

Defendia São Flaviano o que a Igreja ensina:

A Igreja ensina que há em Jesus Cristo duas naturezas, a Divina e a Humana. A pessoa, porém, é uma só, a de Nosso Senhor Jesus Cristo, Homem-Deus.

A heresia de Nestório, condenada pela Igreja, vê em Jesus Cristo duas pessoas, uma divina e uma humana, uma bem diferente da outra. Eutiches ensinou, contrariamente a fé católica, e ao Nestorianismo que em Jesus Cristo há só uma natureza.

Em nossos dias os denfessores da Fé, como sempre ensinou a Tradição da Santa Igreja Catolica são os dois Grandes Bispos, Monsenhor Marcel Lefebvre e Monsenhor Dom Antônio de Castro Maia.



Leitura da Epístola de São Paulo a

I Coríntios 9,24-27 e; 10, 1-5
24 Nas corridas de um estádio, todos correm, mas bem sabeis que um só recebe o prêmio. Correi, pois, de tal maneira que o consigais. 25 Todos os atletas se impõem a si muitas privações; e o fazem para alcançar uma coroa corruptível. Nós o fazemos por uma coroa incorruptível. 26 Assim, eu corro, mas não sem rumo certo. Dou golpes, mas não no ar. 27 Ao contrário, castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, de medo de vir eu mesmo a ser excluído depois de eu ter pregado aos outros. 1 (Não quero que ignoreis, irmãos), que os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem e que todos atravessaram o mar; 2 todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar; 3 todos comeram do mesmo alimento espiritual; 4 todos beberam da mesma bebida espiritual (pois todos bebiam da pedra espiritual que os seguia; e essa pedra era Cristo). 5 Não obstante, a maioria deles desgostou a Deus, pois seus cadáveres cobriram o deserto. 

Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 20,1-16
1 Com efeito, o Reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para sua vinha. 2 Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para sua vinha. 3 Cerca da terceira hora, saiu ainda e viu alguns que estavam na praça sem fazer nada. 4 Disse-lhes ele: - Ide também vós para minha vinha e vos darei o justo salário. 5 Eles foram. À sexta hora saiu de novo e igualmente pela nona hora, e fez o mesmo. 6 Finalmente, pela undécima hora, encontrou ainda outros na praça e perguntou-lhes: - Por que estais todo o dia sem fazer nada? 7 Eles responderam: - É porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele, então: - Ide vós também para minha vinha. 8 Ao cair da tarde, o senhor da vinha disse a seu feitor: - Chama os operários e paga-lhes, começando pelos últimos até os primeiros. 9 Vieram aqueles da undécima hora e receberam cada qual um denário. 10 Chegando por sua vez os primeiros, julgavam que haviam de receber mais. Mas só receberam cada qual um denário. 11 Ao receberem, murmuravam contra o pai de família, dizendo: 12 - Os últimos só trabalharam uma hora... e deste-lhes tanto como a nós, que suportamos o peso do dia e do calor. 13 O senhor, porém, observou a um deles: - Meu amigo, não te faço injustiça. Não contrataste comigo um denário? 14 Toma o que é teu e vai-te. Eu quero dar a este último tanto quanto a ti. 15 Ou não me é permitido fazer dos meus bens o que me apraz? Porventura vês com maus olhos que eu seja bom? 16 Assim, pois, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos.(Muitos serão os chamados, mas poucos os escolhidos).

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

16 de fevereiro dia de Santo Onésio,Bispo e Martir

 16/02 Quinta-feira 
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos
http://liturgy.slu.edu/23OrdC090813/images/Apostle%20Paul%20in%20Prison.jpg

Santo Onésimo se converteu e era conhecido como o “coração de São Paulo”Onésimo de Bizâncio (54 - 68)

Onésimo era escravo de Filemon, cristão convertido por São Paulo, natural da Frigia, em Colossos. Tendo prestado maus serviços ao amo, a quem subtraira uma certa quantia de dinheiro e receando castigo, fugiu para Roma, onde se encontrou com São Paulo, que ali se achava preso no cárcere. Conhecendo a São Paulo por bom amigo de Filemon, contou-lhe sua infelicidade e o motivo da fuga. São Paulo, vendo em todos os homens irmãos em Jesus Cristo, para quem não havia distinção entre romano e grego, escravo e senhor, acolheu-o com caridade, instruiu-o na religião cristã e recebeu-o na Igreja, pelo santo Batismo. Desde aquele dia, Onésimo foi dedicado servidor do Apóstolo que o chamava de caríssimo filho.

Embora fosse de grande utilidade, não quis São Paulo conservá-lo em sua companhia, sem que para isto tivesse o consentimento de Filemon. Tendo ocasião de enviar Tychico a Colossos, com ele mandou também Onésimo, não deixando de recomendá-lo ao amo. Nada prova melhor a grande caridade do Apóstolo das gentes, que este documento em que pede a Filemon que perdoe ao antigo escravo e o aceite novamente em sua graça, como se fosse a ele, Paulo. “Tive grande alegria e consolação – assim escreve São Paulo a Filemon – pela tua caridade, porquanto os corações dos Santos por ti foram confortados.”

Assim, tendo embora em Cristo Jesus muita liberdade, para ordenar-te o que te convém, prefiro rogar-te por caridade, tal sendo tu, como Paulo, já velho e agora está preso de Jesus Cristo. Rogo-te por meu filho, que gerei entre as algemas, Onésimo, o qual outrora te foi inútil, mas agora é útil a mim e a ti; que eu te remeti. Acolhe-o pois, como vísceras minhas. Quisera retê-lo comigo, para que me servisse por ti, nas cadeias do Evangelho. Nada, porém, quis fazer sem o teu consentimento, para que a tua obra não fosse como forçada, e sim, voluntária.

Porque ele talvez se apartou de ti uns tempos, a fim de que viesses a recobrá-lo para sempre. Já não apenas como um servo, mas em vez do servo, um irmão muito amado, principalmente para mim, e quanto mais para ti, assim na carne como no Senhor? Portanto, se me tens por amigo, recebe-o como a mim próprio: e, se te fez algum dano ou te é devedor, põe isso à minha conta. Eu, Paulo, escrevi por meu punho: eu pagarei, para não te dizer que também tu mesmo te deves a mim. Sim, irmão, recebe em ti essa alegria no Senhor; alenta o meu coração no Senhor. “Confiando na tua obediência, escrevi-te sabendo que farás até ainda mais do que digo”. (Filemon, 7 – 22). Com efeito, correspondendo ao nobre pedido de Paulo, Filemon não só perdoou a Onésimo, como se fosse um filho querido, mas deu-lhe liberdade, para voltar a Roma e continuar na companhia do Apóstolo, servindo-lhe nos trabalhos apostólicos.

Quão sólida foi essa conversão, prova a grande confiança de que gozava do Apóstolo São Paulo, que lhe confiou importantes missões e o aceitou como ministro da Igreja, fazendo-o Bispo de Éfeso, onde em seguida trabalhou junto com o Apóstolo São João, como sucessor de São Timóteo. Nas assim chamadas Constituições Católicas, Santo Onésimo era bispo de Berea, na Macedônia. Preso em 109, foi levado a Roma, onde sofreu o martírio de apedrejamento.

Oração: São Onésimo que tivestes a graça de terdes como um grande amigo, ao apóstolo São Paulo através de quem renascestes para um outra vida, daí a graça a todos esses que por falta de oportunidade de conhecer a Nosso Senhor Jesus Cristo perambulam pelas ruas da cidade a cometer graves delitos. Inspirai aos cristãos, a Igreja e aos governantes para que através da graça de Deus possam eles também obter de Nosso Senhor uma nova vida em Cristo Jesus. Amém!

Leitura da Epístola de São Paulo a

I Coríntios 9,24-27 e; 10, 1-5
24 Nas corridas de um estádio, todos correm, mas bem sabeis que um só recebe o prêmio. Correi, pois, de tal maneira que o consigais. 25 Todos os atletas se impõem a si muitas privações; e o fazem para alcançar uma coroa corruptível. Nós o fazemos por uma coroa incorruptível. 26 Assim, eu corro, mas não sem rumo certo. Dou golpes, mas não no ar. 27 Ao contrário, castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, de medo de vir eu mesmo a ser excluído depois de eu ter pregado aos outros. 1 (Não quero que ignoreis, irmãos), que os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem e que todos atravessaram o mar; 2 todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar; 3 todos comeram do mesmo alimento espiritual; 4 todos beberam da mesma bebida espiritual (pois todos bebiam da pedra espiritual que os seguia; e essa pedra era Cristo). 5 Não obstante, a maioria deles desgostou a Deus, pois seus cadáveres cobriram o deserto. 

Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 20,1-16
1 Com efeito, o Reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para sua vinha. 2 Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para sua vinha. 3 Cerca da terceira hora, saiu ainda e viu alguns que estavam na praça sem fazer nada. 4 Disse-lhes ele: - Ide também vós para minha vinha e vos darei o justo salário. 5 Eles foram. À sexta hora saiu de novo e igualmente pela nona hora, e fez o mesmo. 6 Finalmente, pela undécima hora, encontrou ainda outros na praça e perguntou-lhes: - Por que estais todo o dia sem fazer nada? 7 Eles responderam: - É porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele, então: - Ide vós também para minha vinha. 8 Ao cair da tarde, o senhor da vinha disse a seu feitor: - Chama os operários e paga-lhes, começando pelos últimos até os primeiros. 9 Vieram aqueles da undécima hora e receberam cada qual um denário. 10 Chegando por sua vez os primeiros, julgavam que haviam de receber mais. Mas só receberam cada qual um denário. 11 Ao receberem, murmuravam contra o pai de família, dizendo: 12 - Os últimos só trabalharam uma hora... e deste-lhes tanto como a nós, que suportamos o peso do dia e do calor. 13 O senhor, porém, observou a um deles: - Meu amigo, não te faço injustiça. Não contrataste comigo um denário? 14 Toma o que é teu e vai-te. Eu quero dar a este último tanto quanto a ti. 15 Ou não me é permitido fazer dos meus bens o que me apraz? Porventura vês com maus olhos que eu seja bom? 16 Assim, pois, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos.(Muitos serão os chamados, mas poucos os escolhidos).

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

15 de fevereiro dia de dos Santos Faustino e Jovita (Mártires)

15/02 Quarta-feira 
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos

"Rezai pelos inimigos da Santa Religião"


  São Faustino nasceu em 90 e São Jovita em 96, na cidade e Bréscia, na Lombardia, Itália. Eram cristãos e foram martirizados no século II, durante os tempos sangrentos das perseguições. Os outros dados sobre eles nos foram transmitidos pela tradição, pois quase todos os registros eram queimados ou confiscados durante as inúmeras perseguições contra a Igreja dos primeiros séculos.
  Segundo os devotos eles eram irmãos e pregavam livremente a religião apesar das perseguições decretadas pelos imperadores Trajano e Adriano. As prisões estavam repletas de cristãos que se não renegassem a fé publicamente eram martirizados. E na Lombardia a situação não era diferente. Isto preocupava o bispo Apolônio da Bréscia, que precisava de confessores e sacerdotes que exortassem o ânimo e a fé dos cristãos, para se manterem firmes nas orações.
  Secretamente, o bispo ordenou Faustino sacerdote e Jovita diácono, que continuaram no meio da comunidade operando milagres, convertendo os pagãos e destruindo os ídolos. Acusados pelo prefeito, foram espancados, submetidos a atrozes torturas, mas sobreviveram a tudo. Foram então levados para Roma, julgados e condenados a morrer na cidade natal. Em 15 de fevereiro de 146 e foram decapitados.
  O primeiro testemunho destes dois santos mártires foi encontrado no livro dos "Diálogos" de São Gregório Magno. Entre 720 e 730 houve a translação dos corpos dos Santos Faustino e Jovita do cemitério de São Latino, para a Igreja de Santa Maria, depois chamada de São Faustino e Jovita. Outra particularidade histórica e religiosa foi a troca de relíquias feita entre os monges beneditinos de Monte Cassino e o bispo de Bréscia. Eles ficaram com uma de Faustino e a Catedral de Bréscia recebeu uma de São Bento.
 Nas pinturas tradicionais, São Faustino e Jovita são representados vestidos de guerreiros. Em 1438, a cidade de Bréscia foi salva da invasão das tropas do comandante milanês Nicolau Picinino, pelos dois santos que apareceram vestidos de guerreiros para lutar ao lado da população bresciana. No dia 10 de janeiro de 1439, o bispo de Bréscia escrevia ao amigo, bispo de Vicenza a narração desta tremenda invasão. Esta carta se encontra na Biblioteca de São Marco, no Vaticano.
  Uma das maiores festas que acontece na Lombardia é a de São Faustino e São Jovita, na Bréscia, quando a população reverencia seus Patronos no dia 15 de fevereiro.

Leitura da Epístola de São Paulo a

I Coríntios 9,24-27 e; 10, 1-5
24 Nas corridas de um estádio, todos correm, mas bem sabeis que um só recebe o prêmio. Correi, pois, de tal maneira que o consigais. 25 Todos os atletas se impõem a si muitas privações; e o fazem para alcançar uma coroa corruptível. Nós o fazemos por uma coroa incorruptível. 26 Assim, eu corro, mas não sem rumo certo. Dou golpes, mas não no ar. 27 Ao contrário, castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, de medo de vir eu mesmo a ser excluído depois de eu ter pregado aos outros. 1 (Não quero que ignoreis, irmãos), que os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem e que todos atravessaram o mar; 2 todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar; 3 todos comeram do mesmo alimento espiritual; 4 todos beberam da mesma bebida espiritual (pois todos bebiam da pedra espiritual que os seguia; e essa pedra era Cristo). 5 Não obstante, a maioria deles desgostou a Deus, pois seus cadáveres cobriram o deserto. 

Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 20,1-16
1 Com efeito, o Reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para sua vinha. 2 Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para sua vinha. 3 Cerca da terceira hora, saiu ainda e viu alguns que estavam na praça sem fazer nada. 4 Disse-lhes ele: - Ide também vós para minha vinha e vos darei o justo salário. 5 Eles foram. À sexta hora saiu de novo e igualmente pela nona hora, e fez o mesmo. 6 Finalmente, pela undécima hora, encontrou ainda outros na praça e perguntou-lhes: - Por que estais todo o dia sem fazer nada? 7 Eles responderam: - É porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele, então: - Ide vós também para minha vinha. 8 Ao cair da tarde, o senhor da vinha disse a seu feitor: - Chama os operários e paga-lhes, começando pelos últimos até os primeiros. 9 Vieram aqueles da undécima hora e receberam cada qual um denário. 10 Chegando por sua vez os primeiros, julgavam que haviam de receber mais. Mas só receberam cada qual um denário. 11 Ao receberem, murmuravam contra o pai de família, dizendo: 12 - Os últimos só trabalharam uma hora... e deste-lhes tanto como a nós, que suportamos o peso do dia e do calor. 13 O senhor, porém, observou a um deles: - Meu amigo, não te faço injustiça. Não contrataste comigo um denário? 14 Toma o que é teu e vai-te. Eu quero dar a este último tanto quanto a ti. 15 Ou não me é permitido fazer dos meus bens o que me apraz? Porventura vês com maus olhos que eu seja bom? 16 Assim, pois, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos.(Muitos serão os chamados, mas poucos os escolhidos).

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Comentários Eleison - por Dom Williamson Número D (500) - (11 de fevereiro de 2017):

 
 QUINHENTOS


"Comentários" são leves, informais, não espadas com peso esmagador –"Eleison" significa: "tenha misericórdia" – por favor, ó Senhor!

Este número dos Comentários Eleison para a Festa de Nossa Senhora de Lourdes de 2017 é o 500º desde o primeiro que apareceu em 6 de julho de 2007. Por nove anos e meio, os "Comentários" vêm aparecendo na Internet uma vez por semana geralmente aos sábados, a menos que haja algum atraso ou outro, e todas as semanas durante esse tempo, com poucas exceções. Também aos sábados ele sai em uma lista de discussão eletrônica para milhares de assinantes. Em inglês, francês, alemão, italiano e espanhol está disponível em stmarcelinitiative.com, e deixe-se dito aqui que se alguém deixa de receber os "Comentários" por e-mail quando deseja continuar a recebê-los, nunca será por ter sido eliminado da lista de endereços pelos administradores. Normalmente terá sido por algum infortúnio eletrônico, como por exemplo, quando o computador de alguém desvia os "Comentários" para a caixa de spam. Em outros sites, os "Comentários" aparecem semanalmente em tcheco, japonês, coreano e português.

Os "Comentários" nunca são longos, embora ocasionalmente tenham um Suplemento. Em Inglês raramente excedem setecentas palavras, contendo um material que possa caber em uma página A4 com fonte de tamanho 12. Esta brevidade tem a vantagem de garantir aos leitores com pouco tempo livre que sua leitura nunca vai demorar mais do que uns poucos minutos por semana. Por outro lado, a brevidade tem a desvantagem de que os "Comentários" raramente tratarão um assunto com grande profundidade. Ocasionalmente aparecem uns poucos números seguidos sobre um mesmo assunto para examiná-lo com um pouco mais de detalhes, mas mesmo assim o conteúdo não é quase nada acadêmico, nem pretende sê-lo. Os acadêmicos estão sujeitos a usar mais de setecentas palavras para provar um ponto, e muitos leitores hoje têm pouco tempo para algo que tenha mais do que setecentas palavras.

O que os "Comentários" tentam fazer é argumentar a partir da realidade do mundo moderno ao nosso redor para estabelecer alguma conexão razoável e coerente entre, por um lado, a fé católica sem a qual não podemos ser salvos (Hb XI, 6) e, por outro lado, a crescente escuridão do mundo e da Igreja que todos conhecemos. Se os "Comentários" alcançam esse propósito, os leitores devem julgar por si mesmos. Eles certamente não são infalíveis, pois provêm de um bispo católico afastado de qualquer estrutura oficial e declarado duas vezes "excomungado" (1988 e 2015) pela Roma oficial (o que poderia, infelizmente, ser mais uma honra do que um desonra – Deus o sabe). Mas se ele próprio tivesse que reexaminar todos os números anteriores, poderia encontrar juízos que teriam mudado à luz dos eventos posteriores. Ele tem feito o impossível para ser gentil com os homens da Igreja responsáveis ​​pelo Vaticano II e por suas consequências, mas como Don Putti, o fundador de Sisi Nono, uma vez lhe disse: "Sono tutti delinquenti" - objetivamente, todos eles são delinquentes.

Assim, enquanto muitos leitores podem achar os "Comentários" bastante obscuros e muito pessimistas, seu autor pode suspeitar que se ele errou, foi onde ele esteve um pouco otimista demais. Paradoxalmente, o supostamente arquiconservador da FSSPX e arquicrítico da Neoigreja pode estar parecendo bastante complacente com os praticantes da religião Novus Ordo. Ele poderia dizer que tem seguido São Agostinho: "Odiar o erro, mas amar aqueles que erram". Outros podem ser menos gentis e dizer que por baixo ele tem sido um ardente liberal o tempo todo – tais são os prazeres da nossa época moderna. De qualquer forma, ele não espera que os "Comentários" alcancem seu milésimo número. Ele está convencido de que a eletrônica da qual eles dependem seja em um futuro próximo derrubada pela guerra, ou paralisada por agentes da Nova Ordem Mundial, a cujas mentiras a Internet tem causado tanto dano, apesar das múltiplas misérias da Internet.

Enquanto isso, todas as honras e agradecimentos vão para Deus Todo-Poderoso e para Nossa Senhora de Lourdes, por cada pequena maneira com que os primeiros 500 números podem ter ajudado as almas, e que as almas rezem para que mais luz e calor venham de tantos outros números dos "Comentários" quanto a Providência possa prover.

Kyrie eleison.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

14 de fevereiro dia de São Valentim,Confessor e Martir.

14/02 Terça-feira 
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos
Na Bíblia João 15: 13 diz: "Ninguém tem maior amor que o daquele que da sua vida pelos seus amigos". E isso é exatamente o que fez São Valentim.
São Valentim foi um padre próximo a Roma por volta do ano 270 d.C na época do imperador romano Aureliano, que aprisionou os cristãos por não adorar os deuses romanos. Durante esta perseguição, Valentin foi preso. Alguns escrevem que ele foi preso porque ele estava realizando casamentos cristãos, mas outros dizem que foi para ajudar na fuga de outros cristãos.
Durante o julgamento, pediram a Valentin que ele adorasse os deuses romanos Júpiter e Mercúrio. Valentin disse que eles eram falsos deuses e que o Deus é Jesus com Pai e o Espirito Santo, o único Deus verdadeiro. Por isso foi preso por insulto aos deuses romanos.
Enquanto estava na prisão, Valentin continuou a ministrar. Testemunhou para os guardas. Um dos quais eraa um bom homem que havia adotado uma menina cega. Ele perguntou a Valentin se o seu Deus poderia ajudar a filha. Valentin rezou e à menina foi dada a visão. O guarda e toda sua família, 46 pessoas, começaram a acreditar em Jesus Cristo e foram batizados. Valentim exercia com afinco suas atividades cristãs a dar testemunho de Cristo na prisão, fazia com que seus captores ficassem com raiva. Mas, continuou, porque amava o Senhor e seus companheiros. E estava disposto a arriscar sua vida para libertar os prisioneiros e espalhar a Boa Nova de Jesus Cristo àqueles que precisavam ouvir.
Quando o imperador soube que Valentin convertia as almas para Jesus Cristo mesmo na prisão, então mandou decapitá-lo.

Leitura da Epístola de São Paulo a

I Coríntios 9,24-27 e; 10, 1-5
24 Nas corridas de um estádio, todos correm, mas bem sabeis que um só recebe o prêmio. Correi, pois, de tal maneira que o consigais. 25 Todos os atletas se impõem a si muitas privações; e o fazem para alcançar uma coroa corruptível. Nós o fazemos por uma coroa incorruptível. 26 Assim, eu corro, mas não sem rumo certo. Dou golpes, mas não no ar. 27 Ao contrário, castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, de medo de vir eu mesmo a ser excluído depois de eu ter pregado aos outros. 1 (Não quero que ignoreis, irmãos), que os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem e que todos atravessaram o mar; 2 todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar; 3 todos comeram do mesmo alimento espiritual; 4 todos beberam da mesma bebida espiritual (pois todos bebiam da pedra espiritual que os seguia; e essa pedra era Cristo). 5 Não obstante, a maioria deles desgostou a Deus, pois seus cadáveres cobriram o deserto. 

Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 20,1-16
1 Com efeito, o Reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para sua vinha. 2 Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para sua vinha. 3 Cerca da terceira hora, saiu ainda e viu alguns que estavam na praça sem fazer nada. 4 Disse-lhes ele: - Ide também vós para minha vinha e vos darei o justo salário. 5 Eles foram. À sexta hora saiu de novo e igualmente pela nona hora, e fez o mesmo. 6 Finalmente, pela undécima hora, encontrou ainda outros na praça e perguntou-lhes: - Por que estais todo o dia sem fazer nada? 7 Eles responderam: - É porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele, então: - Ide vós também para minha vinha. 8 Ao cair da tarde, o senhor da vinha disse a seu feitor: - Chama os operários e paga-lhes, começando pelos últimos até os primeiros. 9 Vieram aqueles da undécima hora e receberam cada qual um denário. 10 Chegando por sua vez os primeiros, julgavam que haviam de receber mais. Mas só receberam cada qual um denário. 11 Ao receberem, murmuravam contra o pai de família, dizendo: 12 - Os últimos só trabalharam uma hora... e deste-lhes tanto como a nós, que suportamos o peso do dia e do calor. 13 O senhor, porém, observou a um deles: - Meu amigo, não te faço injustiça. Não contrataste comigo um denário? 14 Toma o que é teu e vai-te. Eu quero dar a este último tanto quanto a ti. 15 Ou não me é permitido fazer dos meus bens o que me apraz? Porventura vês com maus olhos que eu seja bom? 16 Assim, pois, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos.(Muitos serão os chamados, mas poucos os escolhidos).


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Imposição da Batina nos seminaristas do:

Séminaire Saint Louis de Montfort 

Frutos de quem observar a tradição.

 dsc_0135_24880976765_o

Batina seminaristas primeiro ano tomado em 11 de Fevereiro

 

  Assim continua vivo os seminários católicas que mantém o uso da Batina.Ser sacerdote e ser outro Cristo e ser outro Cristo requer penitência na maneira de se vestir não é acompanhar os seminaristas e sacerdotes modernistas.

 

E que cada veis decaem em sua falta de modéstia e vão desmoronando e golpeando o sagrado.

Sem batina sem seminaristas suficiente

 estes  são os frutos modernistas. 

Ejercicios Espirituales 2012 II - Seminario Diocesano San Fulgencio - Diócesis de Cartagena - Murcia

 Estatísticas desmoronamento dos seminaristas do Vaticano II

A Igreja Católica oferece algumas estatísticas sobre o número de seminaristas e ordenações sacerdotais , que dependem deles. Sabemos apenas o número de ordenações de padres diocesanos ou seculares, enquanto a Igreja Católica não fornece dados sobre a ordenação dos padres pertencentes a ordens religiosas.
Para a Itália, ele pode ser visto que, após o declínio dramático dos anos 70, o número de seminaristas maiores tem experimentado uma recuperação lenta nos anos 80 e 90, apenas para sofrer uma nova redução de efectivos no novo milênio. grande tendência seminaristas segue alguns anos a tendência nos pedidos. Em qualquer caso, o número de seminaristas e ordenações nunca chegou a esse do final dos anos 60.
Endereço a ser feito para os seminaristas menores, cujo curso de estudo não é necessariamente direcionada para o sacerdócio e que não é necessário para se preparar para o sacerdócio. A desvantagem para este curso de estudo, foi acentuada durante os anos 90, ele foi preso na última década. O número de seminaristas menores ainda tem situou-se em números muito distantes daqueles dos anos 90.
Na Itália, em 2014, os seminaristas maiores diocesanos eram 5.638, incluindo aqueles provenientes de ' Ordinariato Militar ea Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei , composta de 2.753 seminaristas diocesanos e 2.885 estudantes religiosos de filosofia e teologia, enquanto as ordenações de sacerdotes diocesanos foram 405.
Menores e maiores seminaristas. Ordenações de sacerdotes diocesanos em Itália
ano S. minor S. mais Ord. diocesano
1914 - 17.750 -
1951 - - 826
1969 - 10.570 740
1970 - 10227 698
1971 - 9439 619
1972 - 8131 558
1973 - 6811 499
1974 - 6.695 467
1975 - 6.143 425
1976 - 5880 389
1977 - 5230 388
1978 - 5.516 431
1979 - 5413 373
1980 - 5076 347
1981 - 4877 347
1982 - 5160 355
1983 - 5229 344
1984 - 5369 391
1985 - 5664 387
1986 - 6.010 465
1987 - 6.334 500
1988 - 6275 526
1989 - 6040 431
1990 - 6147 492
1991 7061 6172 547
1992 6.891 6367 533
1993 6246 6.472 506
1994 5963 6357 512
1995 5098 6256 533
1996 4505 6299 528
1997 4412 6.337 494
1998 4290 6315 485
1999 3515 6445 556
2000 3417 6433 527
2001 3.260 6205 492
2002 2827 5.927 502
2003 2.694 6079 456
2004 2661 5915 454
2005 2.749 5884 443
2006 2.733 5825 473
2007 3027 5792 395
2008 2872 5646 398
2009 2.912 5533 405
2010 2.808 5656 416
2011 2569 5761 408
2012 2435 5866 376
2013 1723 5778 376
2014 1603 5638 405

  Os que usam batinas são os mais conservadores que mantém melhor a estatísticas dos modernistas sobre vocações.

    Nossa Senhora de Lurdes converta os modernistas e conservadores que retornem a fileira do bom combate.
http://1.bp.blogspot.com/_liOO0KMb4WE/SRVTDk2Pw2I/AAAAAAAACxM/8QKmF79_no0/s400/NOSSA+SENHORA+DE+LOURDES.jpg

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário